experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism
CPLX 8 : euFräktus – XperiMetal – Dionysian Industrial Complex

CPLX 8 : euFräktus – XperiMetal

EuFräktus é um monstro de três cabeças; uma trindade profana. Três pessoas em uma. Uma pessoa em três. Schizocidadão.

De dia, avant-garde acadêmico. Fundador e líder da Brasília Laptop Orchestra (BSBLOrk), desenvolvendo softwares orientados pela semiótica holofractal, física quântica e neurociência. De noite, um guitarrista de metal esquelético. Um “lich axeman” no palco, pacientemente batendo na platéia com seus riffs.

E no fim de semana, um trapaceiro de psytrance vestido de preto, bruxo elétrico. Deleitavelmente conduzindo os jovens das cidades satélites hedonisticamente extraviados por trás de controladores, luzes e nuvens de vapor.

Três pessoas, cada uma reconhecível à sua maneira.

Mas os cientistas dos laboratórios da Dionysian Industrial queriam fazer um experimento. E se costurarmos essas três pessoas juntas? Em uma única quimera. Cerberus, cão de Hades. O experimentalista. O metaleiro. O malandro DJ? O Frankensound emergiria quando os três estivessem conectados? Que tremor de glifo a criatura composta poderia causar?

Começa com um chocalhar e raspagem mecatrônica. Um fluxo de eletricidade pulsando através das veias do monstro quando se trata de vida. E, surpreendentemente, uma voz perdida assombrada. A energia elétrica que flui através do monstro convocou uma banshee a flutuar e cantarolar em torno de seu nascimento. O euFräktus, como o monstro de Cloverfield, é acompanhado por parasitas que são temíveis por si mesmos. Convidados musicais paradoxalmente não-convidados surgem de fora, da escuridão.

O monstro muda. Alguns passos hesitantes de baixo. Uma andadura a la Boston Dynamics.

Um solo de guitarra se estira e se dobra e se dilata através da degradação holofractal. Máquinas pneumáticas chocalham e batem. A banshee grita e gargalha ensandecida.

euFräktus surge. Estica as asas. (Asas? Quem programou para haver asas? Que DNA enganoso é este?) E parece prestes a levantar vôo, batendo e batendo seus novos membros metálicos. Mas seu peso a trai. A criatura é metade rocha derretida. Está acorrentada na terra. Ela se contorce, lutando para se libertar. Fios e gavinhas estão saindo de seu corpo, prendendo e enredando a arquitetura circundante.

A criatura luta.

Finalmente, explodem seus laços. E começa uma corrida lenta, lollopante, metade dançando para frente em um breakbeat pulsante, arranhado … rabos retorcentes chicoteando enquanto ele quebra seu caminho pelo meio de todos os obstáculos.

E então fica sem fôlego … o breakbeat diminui e colapsa. O monstro cai em câmera lenta. Baterias depletadas.

Ele uiva e geme baixinho para si mesmo enquanto as recarrega. No mesmo instante, um exército de técnicos de baixo se apressa, analisando e conXertando. O euFräktus funcionou! Eles estão fazendo anotações. Grande sucesso!

Alguns reparos e recalibrações. E agora … uma oração silenciosa antes da tempestade. As alavancas são puxadas novamente. A energia de Van de Graaff passa pelo céu.

A criatura está pronta para o horário nobre.

Desta vez, fica ereto. Triunfante em uma chuva de chutes trovejantes. Riffs de guitarra em todas as direções. Enxames de banshees circulam seus torsos flamejantes. Os técnicos estão todos batendo cabeça.

E então acabou. O homem está queimado. Ghidorah descansa. Cada olho se fecha no sono. Geleiras rolam por cima da desolação. A banshee canta uma última canção de ninar.

Begin typing your search term above and press enter to search. Press ESC to cancel.

Back To Top