experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism
CPLX 11 : euFräktus / biophillick / djalgoritmo – }bio{borgs – Dionysian Industrial Complex

CPLX 11 : euFräktus / biophillick / djalgoritmo – }bio{borgs

O mundo racional se dissolve em uma sopa caótica de mentiras e desinformação. Vigilância é liberdade. Conspiração é conhecimento. E a política é o brinquedo dos “hiperlíderes“: anárquicos insurgentes, que paradoxalmente alavancam a blitzkrieg da mídia social em um poder autoritário.

Os artistas recorrem à ficção científica distópica para, talvez por consolo, talvez em busca de um vocabulário para expressar seu horror e perplexidade com o choque atual que atravessamos.

Uma nova chegada ao Dionysian Industrial Complex é o djalgoritmo, um “live-coder trabalhando exclusivamente com TidalCycles, o estado da arte híbrida das linguagens de programação musical Haskell e SuperCollider. Suas batidas são uma textura glitch de assobios, guturais profundos, ruídos esvoaçante e corais espectrais, pontuados por punhaladas de baixo elétrico e sintetizadores 808.

Neste EP épico, ele conta uma história sombria em colaboração com os artistas Biophillick e euFräktus do selo Dionysian Industrial. O trio explora um mundo de pesadelos remixado dos fragmentos explodidos de filmes de ficção científica sombrios.

Biophillick, o “verdadeiro” Biophillick, é um tecno-xamã que canaliza as forças cósmicas da natureza. Mas o que um xamã deve fazer quando preso nas entranhas de Metrópolis? Nas câmaras de tortura de Faixa Aérea Um, após mais uma Guerra Mundial Terminus? Este Biophillick, o Biophillick de }bio{borgs, vagueia através do submundo das ovelhas elétricas, onde Furbies e Pokemon devem substituir os verdadeiros familiares dos animais e os Anchimayén. De fato, não sabemos ao certo se esse “Biophillick”, suas poesia é um fluxo desmanchando de livres pensamentos e tecniquês, pode não ser ele próprio um replicante defeituoso.

Enquanto isso, euFräktus pega uma cítara, como um George Harrison reanimado, e é ligeiramente transmogrificado e transubstanciado. Ele transcendeu e se tornou um drone cósmico, um som Om obscuro, encharcando as ruínas com radiação cósmica de fundo em micro-vibrações.

As batidas de djalgoritmo tornam-se distorcidas, assovios de pássaros e tambores pulverizados pelo reverb. Biophillick concentra-se numa conversa com um besouro atômico, em todo o seu desamparo kafkiano. Um universo sonoro de raspadas e cliques e trovões e estouros de estática. Sobrepostos por pesados lamentos do Bio.

Está o Bio conectando-se com a natureza? Ou arrancando arbitrariamente as asas de outra forma de vida artificial?

Um Nexus 6, chapado de melange, em busca de “mais vida”, encontra-se num transe de especiaria. Agora a cítara se torna guia de todos os elementos. Um protagonista dos riffs. Travando com as batidas aceleradas, semi-dançantes, semi-militares de djalgoritmo, em um groove crescente. Uma escada rolante cósmica ou elevador espacial levando Bio em uma última jornada. A velocidade de escape desta Terra achatada para um universo mais amplo, acompanhado pela canção gorgolejante e trinada de Furby.

Longe, além da Capa Heaviside. Para Arrakis. Para juntar-se à máquina de guerra nomádica de djalgoritmo e euFräktus na jihad clarividente contra os traficantes e os trolls das mídias sociais. Bio torna-se messias. Um dia ele retornará.

Begin typing your search term above and press enter to search. Press ESC to cancel.

Back To Top