experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism
CPLX 7 : River of Electrons – Rapunzel – Dionysian Industrial Complex

CPLX 7 : River of Electrons – Rapunzel

River of Electrons retorna ao Dionysian Industrial Complex com um exercício de “ressurreição” de seu arquivo pessoal.

Chiptunes e referências de retro-computação são agora uma parte estabelecida da cena da música eletrônica, mas Rapunzel é um pouco diferente, como RoE explica:
 

 
Estes pequenos esboços e exercícios foram compostos num BBC Micro usando o MuProc (Quicksilva Music Processor) quando eu era adolescente, nos anos 80. Por sorte eu mantive uma cópia dos disquetes daquela época e, ao encontrar um emulador para o BBC Micro que funcionava no meu navegador, foi realmente possível executar o software, reproduzir e resgatar essas músicas.

O fascínio para mim hoje, 30 anos depois, é tentar entender o indivíduo que os criou. Obviamente são esboços juvenis, experimentos ingênuos, com harmonia e contraponto inacabados e sem polimento. Mas o que me intriga hoje (e meio que me aterroriza) é a ambição. Isto é música feita em um software sem a barganha faustiana de looping, ou mesmo sem recursos simples como copiar e colar… Cada nota é tocada à mão e cada compasso é diferente. Os motivos são repetidos, mas ou devido à inépcia (tocar as notas erradas) ou ao design, eles evoluem e se transformam continuamente. O tempo se alonga e encolhe, as melodias são harmonizadas contra diferentes contra-melodias ou riffs.

Posso identificar as influências da música que ouvia na época, talvez mais claramente hoje do que reconheci então: uma mistura de fragmentos da minha formação musical clássica muito rudimentar; o synthpop minimalista dos anos 80, que eu ouvia diariamente; algumas melodias folclóricas plangentes; algumas cadências ligeiramente influenciadas pelo blues. Nada muito do tipo “música de videogame”. Na verdade, eu costumava jogar com a música desligada; na época havia pouco senso de música de videogame como um “gênero” ou algo que valesse a pena prestar atenção. Mas a maior influência de todas foi sem dúvida a música russa para balé. “Pássaro de Fogo”, de Stravinsky, e “Romeu e Julieta”, de Prokofiev, são os dois melhores exemplos da musica que eu escutava muito nessa época. E assim, a duvidosa ideia de escrever um balé baseado num conto popular parecia bastante natural, assim como o uso de breves e penetrantes motivos rítmicos.

Naquela época, eu era alheio ao que agora seria obviamente um absurdo: tentar fazer música de balé orquestral em um chip que comporta apenas três canais de ondas quadradas e um canal de ruído. Os sons são claramente duros, alta frequência com pouca variação de timbre. Para a atual gravação eu os executei através de alguns EQ, eco e reverb, para tornar o som um pouco mais doce e suave e menos cansativo de se ouvir. E o eco confere a tudo um leve brilho natalino.

Na verdade, o eco / reverb é provavelmente exagerado, mas eu decidi aplicar uniformemente um efeito em todo o álbum ao invés de tentar varia-lo em cada diferente parte. Este não é pra ser um novo remix / remaster ou recriação do original, mas uma renderização o mais neutra possível, apenas para deixar a peça um pouco mais palatável.

Finalmente, devo observar que cerca de 60% da música que apresento aqui foi explicitamente composta para o balé chamado “Rapunzel”; o resto são esboços da mesma época que parecem se encaixar no mesmo clima. Eu juntei os vários fragmentos para fazer o que começa a parecer um todo mais coerente. Então, isso é, de certa maneira, uma reconstrução moderna.

 
Ouvindo Rapunzel hoje, em 2018, parece uma música alienígena, de um passado distante e desconectado (mesmo que seja apenas um passado pessoal). Essa música é desconcertante porque ao mesmo tempo é muito parecida e muito diferente da nossa ideia de “musica de videogame”. A qualidade chiptune do som é inescapável, mas não há arpejos frenéticos, hiper-sequenciados, incrivelmente rápidos. Este não é o som dos ravers que usavam Nanoloop, como Droid-On. Nem mesmo a estética hipster glitch de, digamos, “Super Madrigal Brothers”.

Em vez disso, é romantismo ingênuo e melancólico. Uma música de lamentos deprimidos e tristes. O tema de uma menina (ou deusa solar) trancada em uma torre por uma bruxa (perversa ou apenas muito protetora?) é certamente a fantasia arquetípica do adolescente. Uma saga gótica e cheia de angústia.

Mas hoje notamos que também é um tema clássico do videogame dos anos 80. O que, afinal de contas, é a luta de Jumpman com Donkey Kong, ou a missão de Mario no Reino dos Cogumelos, senão uma atualização da alegoria medieval “Ataque ao Castelo do Amor”.

 

Begin typing your search term above and press enter to search. Press ESC to cancel.

Back To Top