experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism experimental beauty devotional noise technoshamanism
CPLX 15 : Ghales / K-Torrent / euFraktus X – Enantiodromia – Dionysian Industrial Complex

CPLX 15 : Ghales / K-Torrent / euFraktus X – Enantiodromia

Ao final de 2019, um grupo de músicos brasilienses – incluindo membros da Orquestra de Laptops de Brasília (BSBLOrk) e do Nomade Lab – foram convidados pela Galeria Alfinete para improvisar um diálogo com uma instalação de Milton Marques.

A obra consistia de um disco motorizado, coberto com pó de giz. Conforme o disco girava, era arado e sulcado por um gancho de metal pressionado contra sua superfície. Do lado oposto do disco, a superfície quebrada era reconstituída por um bloco nela apoiado, pesado com balas de alguma arma.

O disco era, portanto, o microcosmo de um eterno ciclo de ordem rompida e reestabelecida. De criação e destruição. De “enantiodromia”, coisas tornando-se os próprios opostos.

Conforme girava o disco, sua lateral degradada era filmada proximamente, e sua imagem, projetada contra uma das paredes da galeria, preenchendo-a. Dessa forma, o microcosmo de destruição contínua foi amplificado para uma escala aparentemente tectônica, tornando-se um visual de intermináveis terremotos ou colapsos glaciais.

Mesmo sendo uma peça amplamente improvisada, para estruturar a performance, dois músicos foram convidados para “compor” duas principais metades ou movimentos, definindo instruções específicas e material para os demais músicos trabalharem.

Estes dois movimentos ou “forças complementares” principais foram compostas por Ghales (Torque) e euFraktus X (KronUs), com o artista sonoro K-Torrent convidado para adicionar novos sons através de um violino distorcido e degradado, na transição entre os dois.

Finalmente, os músicos foram encorajados a retornar do segundo movimento para os elementos da primeira na “coda” final, nomeada Momentum, onde a peça feça um círculo, voltando ao início novamente.

O resultado, capturado e levemente editado e remixado é, em vários níveis, “épico”. Contudo, é também uma confusão. Uma caldeira de ideias e estilos em que se ouve, de fato, um mundo em constante movimento e sujeito a uma destruição criativa. Uma juxtaposição do humano e do abstrato. O orgânico e o eletrônico. Políticoo e geológico. Fragmentos melódicos e ruído.

Ghales inicia torque com a introdução de Leandro Columbi lendo textos através de sua cadeia caseira de efeitos sonoros, transformando o humano através de uma catástrofe de gaguejados, faseamento, modulações e alterações de pitch. O improviso vocal de Leandro é por vezes inteligível, ocasionalmente se assemelha a assovios de pássaros, ou grunhidos graves e murmuros entediados.

Enquanto isso, Ghales e djalgoritmo começam a trazer uma percussão LiveCoded (codificada ao vivo). Uma sequencias de potes vazios de argila que parecem tropeçar continuamente sobre si próprios, falhando a estabelecer qualquer forma de pulso.

Jackson marinho entra com suas interfaces sonoras customizadas: um moedor de carne e uma kalimba.

Gradualmente Ghales e djalgoritmo conseguem trazer o caos a certa ordem, empilhando linhas percussivas, indroduzindo temas como sinos ecoando e regando-os com um chorume de bumbos e pratos. Até que um baixo estrondoso começa a dominar sob os cortes irregulares de ruído, e o mundo torna-se um mutante honky-tonk e uma escada de acordes digitais ascendentes que apunhalam brilhantemente.

De algum local indeterminado, a voz de um apresentador de telejornal Brasileiro se intromete, calmamente reportando turbulências e agitação política. Entretanto, a voz de Leandro assume um coro de “Irresponsabilidade” com a voz repleta de tédio, um fundo de ruídos e apitos agudos atribui ao golpe político contra a presidência de Dilma Rousseff uma qualidade hipnagógica, alucinógena. Como se pudesse ser tudo apenas um sonho ruim.

Ao término da transição, KronUs, de eufraktus X, apresenta-se com um drone pungente. Torrentes sugadoras, rabiscadoras e arredondadas de água de degelo. Os assovios de Leandro sobrevoam um panorama de fraturas e rachaduras geológicas, uma geleira em dissolução. Um silvo de ruído. Guinchos e tons sintéticos erguem-se e caem. Mas as falhas e estouros tornam-se mais evidentes ao som de tiros. Seria uma zona de guerra? Um tiroteio noturno numa favela?
No mundo-disco rotatório de Marques, o bloco que suaviza a superfície rompida é pesado com balas. A violência, então, traria ordem?

Se Marques quiser sugerir isso, os músicos parecem discordar. Conforme a calma imaginária começa a romper-se entre os disparos, os sons tornam-se agitados. O canto de pássaro torna-se mais frenético. Jatos de doppler sobrevoam. Bombas explodem. Lasers. O moedor de carne está em ação. Leandro grunhe como uma horda zumbi. Então percebemos que é o inferno. Um dos círculos mais abafados do inferno de Dante. Onde badala um sino decrépito.

O tempo gravita inexoravelmente para um hino fúnebre. E a geleira derrete. Entropia toma efeito, o som torna-se ruído branco.

Na tela projetada, a terra em pó continua seu colapso desmoronante eterno.

Nunca se pisa no mesmo terremoto duas vezes

E então, a partitura de euFraktus X pede que os outros intérpretes improvisem ao redor da natureza cíclica da história. O pêndulo balançará de volta do período obscuro que vivemos. Sombras políticas serão dispersadas pela luz. [1]

euFraktus convida uma criança, Myrrha Morcelli, de cinco anos, para interagir com as câmeras que controlam seu software musical, trazendo uma energia lúdica à cacofonia. Os sons do inferno se rearranjam em uma dança efervescente e leve. Isso é uma clarineta praticando escalas? E os tiros, seriam apenas fogos revolucionários?

As encantamentos de Leandro tomam ritmo. Novos riachos de som fresco e contorcido tomam seu rumo para fora das rachaduras. A voz de Leandro sofre loops e stutters, e isso constrói energia. Até os sinos adquirem velocidade. Riverrun. Rumamos de volta ao início.

[1] Essa gravação foi feita no desespero político do final de 2019, antes que o grande pesadelo ddo COVID19 tivesse explodido no mundo. Mas escolhemos tomar uma mensagem semelhante de esperança de KronUs. O ano da doença pode ser severo, mas eventualmente sobressairemos.

Begin typing your search term above and press enter to search. Press ESC to cancel.

Back To Top